BNDES admite preferência por solução nacional para CSA

19 de junho de 2012

O presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Luciano Coutinho, admitiu nesta segunda-feira a preferência por grupos nacionais na compra de ativos de setores estratégicos nacionais, durante evento ligado à Rio+20. Questionado sobre o aumento de capacidade de empréstimo do banco para a mineradora Vale e a possibilidade de a mineradora aumentar sua participação na Companhia Siderúrgica do Atlântico (CSA), Coutinho sinalizou preferência de que a fatia no grupo fique com um grupo nacional.

“Certamente todas as oportunidades merecem ser examinadas e, sempre que exista uma solução brasileira viável, vamos considerar essa possibilidade”, disse Coutinho a jornalistas. A alemã ThyssenKrupp colocou à venda sua fatia na CSA e, segundo fontes, o presidente mundial do grupo esteve nos últimos dias no Brasil em busca de potenciais interessados.

Uma fonte com conhecimento do assunto disse à Reuters na semana passada que a orientação no governo é privilegiar a venda da planta a um grupo nacional. “Dependendo do setor, naqueles mais importantes considero licito ter preferências por soluções brasileiras. Isso depende muito da existência de empresas e propostas qualificadas”, declarou Coutinho, ressalvando que falava em tese e não mencionava alguma negociação específica.

Coutinho afirmou ainda que o BNDES e o governo estão fechando detalhes da linha de financiamento de R$ 20 bilhões para Estados, anunciada na sexta-feira. A nova linha pode aumentar os desembolsos do BNDES esse ano, mas não impacta a necessidade de financiamento do banco, disse Coutinho. “O impacto mais substancial será em 2013 e, talvez, um pedaço em 2014”, afirmou.

 

Fonte: Reuters
Seção: Siderurgia
Publicação: 19/06/2012

Compartilhe nas redes sociais