Disparada do minério de ferro causa confusão no mercado

11 de dezembro de 2019

A surpreendente disparada do minério de ferro acima de US$ 90 a tonelada, puxada pelo otimismo em relação à demanda chinesa, deixou especialistas do mercado confusos e alguns questionaram o movimento.

“Há um pouco de confusão sobre por que o mercado ‘ficou louco’”, disse Tomas Guttierez, analista da Kallanish Commodities, de Xangai, ao analisar o salto de 5,2% na segunda-feira. “Acho difícil ver o que realmente mudou.”

A recente recuperação do minério de ferro desde o mergulho dos preços para US$ 70 em meados de novembro prolonga um ano tumultuado para o material usado por siderúrgicas. No começo de 2019, os preços dispararam para máximas históricas devido ao amplo corte da oferta no Brasil. Com os sinais de aumento das remessas, os preços começaram a recuar. A recente valorização foi impulsionada pelas promessas do governo da China de aumentar gastos em infraestrutura.

Os investidores interpretaram um recente comunicado da reunião do Politburo sobre a economia como um sinal de ganhos para o segmento de infraestrutura, disse Guttierez. E acrescentou: “É possível que as pessoas estejam apenas apostando no resultado da Conferência de Trabalho Econômico Central, com base na mudança de tom”, fazendo referência a uma conferência que reúne as principais lideranças chinesas para a aprovação de metas para 2020.

Na semana passada, as cotações do minério subiram 3,2%, avançando pela terceira semana em quatro, puxadas pelo aumento dos preços do aço e pela rentabilidade das usinas.

Sinais

“Definitivamente, vimos alguns dados um pouco ‘menos piores’ da China, e isso precipitou um pouco”, disse Daniel Hynes, estrategista sênior de commodities do Australia & New Zealand Banking Group. “No entanto, os ganhos parecem limitados daqui em diante. Não há muito sinal de um aumento significativo da demanda a longo prazo.”

Desde o choque da oferta no primeiro semestre, que elevou o preço do minério de ferro muito acima de US$ 100, a produção global se recuperou, inclusive a oferta de grandes mineradoras no Brasil e Austrália. A Vale disse que a produção pode chegar a 355 milhões de toneladas em 2020, superior aos 307 a 312 milhões estimados para este ano. Esse cenário estimulou as expectativas de preços mais baixos.

“O mercado provavelmente estava precificando no pior cenário, e isso melhorou um pouco”, disse Hynes. Mas o último rali “não parece se basear em indicadores fundamentais, que ainda apontam para um cenário relativamente moderado”.

Minério de ferro desafia céticos com demanda mais forte na China

Os preços do minério de ferro seguem o avanço na casa dos US$ 90 diante do otimismo em relação à demanda e aos preços do aço na China. Os recentes ganhos surpreenderam pela força e pelo momento do rali da commodity neste fim de ano, mas as previsões ainda apontam desaceleração dos preços em 2020.

Na China, principal compradora de minério de ferro, as margens das usinas para a fabricação de alguns tipos de aço sobem com o aumento dos preços dos produtos, destacando os bolsões de força no vasto mercado.

A súbita virada do preço do minério de ferro desde que mergulhou em US$ 70 em meados de novembro marca um ano tumultuado. No início de 2019, os preços dispararam devido ao corte da oferta no Brasil, mas depois recuaram com os sinais de remessas mais altas. Embora o recente aumento tenha ocorrido em meio a promessas do governo da China de aumentar gastos em infraestrutura, também causou confusão entre especialistas do mercado, que tentam determinar a causa precisa.

“A elevação do preço do minério de ferro foi atribuído ao maiores preços do aço e às expectativas de crescimento da infraestrutura na China em 2020”, disse o National Australia Bank em relatório divulgado na quarta-feira, repetindo as previsões que precificam o minério de ferro abaixo de US$ 70 a tonelada dentro de um ano.

Na semana passada, os preços do minério subiram 3,2%, avançando pela terceira semana em quatro, puxados pelo aumento dos preços do aço e pela rentabilidade das usinas.

O Citigroup prevê que a demanda chinesa final por aço mostre queda de 1,5% em 2020, embora a demanda possa crescer se o governo se apoiar em setores intensivos em aço para impulsionar o crescimento no curto prazo. O banco prevê preços médios do minério de ferro de US$ 75 em 2020 e de US$ 65 a tonelada em 2021, como resultado de uma transição para um superávit significativo.

Fonte: Bloomberg News
Seção: Siderurgia & Mineração
Publicação: 11/12/2019

Compartilhe nas redes sociais