Fundições mineiras ampliam as exportações

5 de outubro de 2016

A indústria de fundição de Minas está começando a respirar. Com o dólar favorável, as exportações ganharam espaço, e a produção deste ano, apesar de se manter ainda em patamares baixos, deve empatar com a de 2015. Além disso, o setor, que demitiu em massa nos últimos anos, está conseguindo manter o nível de empregos ao longo deste exercício.

As informações são do presidente do Sindicato da Indústria da Fundição no Estado de Minas Gerais (Sifumg), Afonso Gonzaga. “Fechamos 2015 com uma queda brusca de produção, mas entendemos que este ano vamos manter o volume em torno de 690 mil toneladas, que é um número que nos dá uma perspectiva de melhora, e também, estamos mantendo a empregabilidade”, disse.

Especialmente nos últimos dois anos, a indústria de fundição demitiu cerca de 5 mil funcionários e este ano vinha lutando para não demitir, o que tem conseguido, segundo Gonzaga. Em Minas, o setor emprega hoje cerca de 19 mil pessoas. Para segurar mão de obra, as fundições adotaram medidas como a redução da jornada de trabalho.

Por outro lado, a situação do setor também demanda cuidado, como destacou Gonzaga. Grande parte disso tem a ver com a retração de vendas e produção do setor automotivo, que consome aproximadamente 57% da produção de fundidos no País. “Isso é um dificultador e também afeta diretamente a produção”, afirmou.

Porém, Gonzaga, que também é presidente da Associação Brasileira de Fundição (Abifa), contou que tanto a indústria automotiva, através da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), quanto a de bens de capital, por meio da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (ABIMAQ), estão abrindo espaço e conversas com as fundições com o objetivo de nacionalizar peças fundidas que são importadas até então.

“Essas conversas estão criando um ambiente favorável para o setor. A indústria automotiva, através da Anfavea, entendeu a necessidade de fortalecer o próprio parque nacional, e a ABIMAQ está trabalhando na mesma linha”, confirmou o presidente da Abifa.

Fonte: Diário do Comércio
Seção: Metalurgia & Distribuição
Publicação: 05/10/2016

Compartilhe nas redes sociais