Gerdau antecipa operação do laminador

10 de fevereiro de 2016

Leonardo Francia

A Gerdau anunciou ontem que antecipou a entrada em operação do laminador de chapas grossas na usina Ouro Branco (Campo das Vertentes) para julho. A previsão era apenas para o fim deste ano. O grupo gaúcho vai expandir a linha de produtos no segmento de aços planos no mesmo momento em que a Usinas Siderúrgicas de Minas Gerais (Usiminas) praticamente sai deste mercado e até passa a comprar o produto, conforme confirmado nos últimos dias pela própria companhia.

Em comunicado enviado ao mercado, a Gerdau declarou que firmou acordo de cooperação técnica com a japonesa JFE Steel Corporation para a fabricação de chapas grossas no Brasil, segundo a siderúrgica, “um produto de aço com elevado valor agregado, voltado para atender o mercado das Américas”.

A Gerdau explicou ainda que a produção das chapas grossas na usina de Ouro Branco permitirá a substituição de parte das importações desse produto no País e o atendimento a novos nichos de mercado. “Escolhemos a JFE Steel Corporation por ser referência mundial em tecnologia na produção de chapas grossas, além de um dos principais fabricantes globais do produto”, afirmou, em nota, o presidente do grupo, André Gerdau Johannpeter.

Conforme consta no documento enviado ao mercado, “o acordo permitirá otimizar a curva de aprendizado do laminador de chapas grossas, equipamento que entrará em operação no mês de julho na usina Ouro Branco, marcando a expansão da linha de produtos da Gerdau no segmento de aços planos. Inicialmente, a entrada em operação do laminador estava prevista para o final de 2016 e, portanto, foi antecipada”.

De acordo com a Gerdau, os consultores técnicos da JFE apoiarão a companhia para aumentar o domínio tecnológico da produção de chapas grossas, o que viabilizará a evolução mais rápida dos processos de fabricação. O acordo de cooperação técnica abrangerá tanto a laminação quanto a aciaria. O suporte dos japoneses será completo para o desenvolvimento de novos produtos. O plano prevê que a partir de julho o novo laminador já estará produzindo a sua gama completa de bitolas.

Investimentos – A capacidade instalada anual do novo laminador é de 1,1 milhão de toneladas de chapas grossas, produto usado pelas indústrias de construção civil, óleo e gás, naval, energia eólica, rodoviária, de máquinas e equipamentos, entre outros. Na última divulgação de resultados, a Gerdau chegou a confirmar que, no acumulado de 2015 até setembro, os aportes da companhia somaram R$ 1,8 bilhão e que a maior parte dos recursos foi direcionada para o novo equipamento e para a construção de uma unidade de aciaria, na Argentina.

A siderúrgica gaúcha iniciou a sua produção de aços planos no Brasil em 2013 na usina Ouro Branco, com a instalação de um laminador de bobinas a quente, cuja capacidade instalada é de 800 mil toneladas por ano. Em janeiro de 2016, o laminador de bobinas a quente atingiu a marca de 1 milhão de toneladas de produção desde o início de sua operação.

A entrada do laminador de chapas grossas em operação representa um reforço da Gerdau no mercado de aços planos e pode impulsionar a participação da companhia no segmento já que a Usiminas, o único player nacional que produzia este tipo de aço, praticamente confirmou nos últimos dias que deverá virar um novo cliente, deixando de ser fabricante do produto.

Conforme já divulgado, a Usiminas já adquiriu pouco mais de 130 mil toneladas de placas de aço da Companhia Siderúrgica do Atlântico (CSA), controlada pela Vale S/A e pela ThyssenKrupp, em função da paralisação das atividades na Usina de Cubatão, em São Paulo.

Fonte: Diário do Comércio
Seção: Siderurgia
Publicação: 10/02/2016

Compartilhe nas redes sociais