Preço do minério pode chegar a US$ 80 t no longo prazo

13 de abril de 2016

O preço do minério de ferro deve ficar entre US$ 65 e US$ 80 por tonelada no longo prazo, afirmou o presidente da Vale, Murilo Ferreira, em entrevista ao jornal chinês “Caixin”. Segundo Ferreira, é difícil que o valor volte acima dos US$ 100.

“Não é fácil ver um super ciclo acontecendo novamente. Eu acho que nós não podemos ver um mercado lindo como era em 2011 e 2012, mas será muito melhor do que em 2015”, disse Ferreira. Para ele, a atual alta do minério de ferro, cujo preço subiu mais de 30% desde o começo de 2015 é sustentável, mas não deve levar o preço do minério a subir tanto.

“Nós podemos ver uma alta no mercado, algo melhor do que estava em 2015. Mas, novamente, o mesmo mercado, a bolha do super ciclo, acho que isso não é mais visível”, afirma Ferreira, que disse ainda que a atual alta ocorre por uma melhora no crédito na China. “O mercado imobiliário [chinês] está tomando medidas para ser mais acessível para as pessoas”, diz Ferreira. Isso, diz o presidente, está favorecendo as siderúrgicas.

A oscilação do preço do minério de ferro afetou fortemente os negócios da Vale, afirmou Ferreira. “No meu primeiro dia como presidente da Vale, o preço do minério de ferro estava em US$ 191. Agora está entre US$ 56 e US$ 57. Mas um mês atrás, custava US$ 37. Não é fácil de se trabalhar”, comenta Ferreira.

China

O minério de ferro que será produzido na S11D, maior mina da Vale ainda em fase de implementação, já tem destino certo: o continente asiático. “Nossa estratégia é ser a maior fornecedora de minério para a China”, afirmou Ferreira.

De acordo com o executivo, atualmente a Vale exporta 180 milhões de toneladas de minério para a China. “Mas, com o novo projeto [S11D], nós pretendemos chegar a 250 milhões de toneladas. Nós somos os líderes de venda em volume ao redor do mundo. No entanto, ainda somos os terceiros no Mercado chinês, o primeiro é a Rio Tinto e o segundo é a BHP”, afirmou.

Além da S11D, a expansão da Vale está passando pelo investimento em centros de distribuição, com espaço para estoque na Malásia e na China. “Estamos em uma fase final de algumas negociações com as instalações portuárias, muitas instalações da China, com a ideia de aumentar nosso estoque e estar muito mais perto dos nossos clientes”, disse Ferreira.

Ferreira indicou que a Vale, apesar de estar passando por uma situação complexa com a queda do preço do minério de ferro, está investindo em um navio que suporta 400 mil toneladas, para ganho de eficiência. O acordo assinado com a Foterscue e a parceria com a China Cosco, para transporte de minério, também são positivos para chegar na China com mais eficiência.

Fonte: Monitor Mercantil
Seção: Mineração
Publicação: 13/04/2016

Compartilhe nas redes sociais