Produtoras brasileiras de planos têm como meta setembro para aumentos de preços

27 de agosto de 2012

As produtoras brasileiras de planos CSN e Usiminas estão novamente tentando ajustar os preços domésticos em cerca de 4-7% para os pedidos de setembro, já que os anúncios anteriores não foram aceitos pela maior da parte do mercado.

Desde junho as produtoras têm discutido um aumento de preço para as vendas de planos para distribuidores e montadoras, ‘mas a relutância dos clientes adiou os novos valores em três meses’, disse uma fonte.

A Usiminas está supostamente aumentando os preços das bobinas a quente em cerca de 7.3% e os das bobinas galvanizadas e a frio em 5.25%. Os aumentos da CSN estão em 7% e 4.5%, respectivamente. Os novos preços entrarão em vigor a partir da primeira semana de setembro.

Alguns analistas questionam a sustentabilidade das mudanças, principalmente porque os preços dos planos domésticos parecem estar em torno de 7% mais altos do que os valores de importação, ‘que devem provocar importações mais altas para o país. De fato, as cotas de importações cresceram nas últimas semanas’, declarou um analista.

As ofertas de exportação de BQ para o Brasil estão em torno de US$ 520-530/t FOB e os preços em queda da matéria-prima do minério de ferro e do carvão metalúrgico significam que os preços podem permanecer pressionados.

“Neste cenário, temos pouco escopo para os preços domésticos sustentarem o alto prêmio sobre as importações’, disse um analista.

Os preços domésticos brasileiros pela BQ, considerando os novos ajustes, devem vender em torno de R$ 1.400-1.500/t (US$ 689-738/t) FOB usina. A BF está a R$ 1.950-1.965/t FOB usina e a HDG a R$ 2.150-2.180/t FOB usina.

Fonte: Platts
Seção: Siderurgia
Publicação: 27/08/2012

Compartilhe nas redes sociais