Reajuste nos preços dos aços longos é esperado com temor pela distribuição

27 de março de 2015

O anúncio de novo reajuste nos preços dos aços longos realizado pela Gerdau nessa semana provocou desconforto no mercado distribuidor.

O setor que já teve um reajuste de 7% no início de janeiro deste ano, a partir de 1º de abril acumulará um novo reajuste de 12%, o que, segundo fontes do mercado, trará ainda mais insegurança para o comércio de aços longos na distribuição.

“O mercado já está muito fraco, não estamos vendendo, e com o aumento, não sei como será daqui pra frente”, relatou a fonte que comercializa perfis e barras, produtos em sua maioria consumidos pelos mercados da construção civil e máquinas e equipamentos, setores que também estão enfrentando crises.

De acordo com o Ministério do Trabalho, em janeiro deste ano, pela primeira vez desde 2003, a construção civil demitiu mais do que contratou, eliminando 9.729 vagas com carteira assinada. Já no setor de máquinas e equipamentos,houve queda de 13,7% no faturamento no ano passado, segundo a Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos – Abimaq.

Diante do cenário, os distribuidores estão analisando se repassarão o reajuste total na primeira semana de abril, alguns, como estratégia de venda, irão repassar o aumento aos poucos para os clientes finais, reduzindo seus lucros.  Outros entedem que o repasse imediato do reajuste irá valorizar o seu estoque.

Hoje a Barra Chata está sendo negociada pela distribuição, em média, por R$ 3.468 a tonelada (gráfico) e o Vergalhão a R$ 27,00 a  barra (gráfico).

Fonte: Infomet
Seção: Metalurgia & Distribuição
Publicação: 27/03/2015

Compartilhe nas redes sociais